Em tempos de Taxonomia...e Objetivos de Aprendizagem

What a hell ... ?

"Taxonomia (do Grego verbo τασσεῖν ou tassein = "para classificar" e νόμος ou nomos = lei, ciência, administrar, cf "economia"), primeiramente, foi definida como a ciência de classificar organismos vivos (alpha taxonomy), mas mais tarde a palavra foi aplicada em um sentido mais abrangente, podendo aplicar-se a uma classificação de coisas ou aos princípios subjacentes da classificação. Quase tudo - objetos animados, inanimados, lugares e eventos - pode ser classificado de acordo com algum esquema taxonômico.(...) " Wikipedia

Hum....portanto, tudo é passível de ser "taxonomizado" ... Será?

Em tempos de Gestão do Conhecimento e Aprendizagem, por que utilizar taxonomias???

"A taxonomia é um sistema para classificar e facilitar o acesso à informação, e que tem como objetivos: representar conceitos através de termos; agilizar a comunicação entre especialistas e entre especialistas e outros públicos; encontrar o consenso; propor formas de controle da diversidade de significação; e oferecer um mapa de área que servirá como guia em processos de conhecimento. É portanto, um vocabulário controlado de uma determinada área do conhecimento, e acima de tudo um instrumento ou elemento de estrutura que permite alocar, recuperar e comunicar informações dentro de um sistema, de maneira lógica." (Taxonomia: elemento fundamental para a Gestão do Conhecimento - Biblioteca Terra Fórum) .


Mas sobre Gestão do Conhecimento, falaremos depois....Falemos antes sobre aprendizagem!


Na década de 1950, uma equipe multidisciplinar liderada por Benjamin Bloom desenvolveu uma taxonomia, classificando os objetivos de aprendizagem, dividindo o campo de trabalho em três dimensões que se inter-relacionam:

  1. a dimensão cognitiva - ligada ao saber, (atualmente vista como os objetivos conceituais - segundo Antoni Zabala)
  2. a dimensão psicomotora - ligada às ações físicas (objetivos procedimentais - idem)
  3. a dimensão afetiva - ligada a posturas e sentimentos (objetivos atitudinais - idem)

Bloom nunca chegou a desenvolver a dimensão psicomotora da Taxonomia, mas outros especialistas o fizeram (como Anita Harrow, 1972). A Taxonomia de Bloom, criticada por alguns educadores por ter nascido em berço comportamentalista, ainda é utilizada como um referencial conceitual no planejamento das atividades de aprendizagem. E se bem utilizada em um planejamento de atividades de aprendizagem, tem muito a contribuir!

Entende-se que para a aprendizagem ser efetiva, deve contemplar simultâneamente as três dimensões dos objetivos e os últimos estágios de cada um deles, visto que estão subdivididos em etapas.

Para entender melhor essa taxonomia, elaborei um mapa conceitual (excelente ferramenta para "taxonomizar" ideias, conceitos e proposições) com as principais dimensões dos objetivos e as subdivisões esperadas pelo aprendente em cada uma delas.

Para ver o mapa, clique na imagem!!





Um comentário:

Arton Filimão disse...

Muito obrigado me ajudou bastante